Início » Últimas » Casa do Povo recupera tradição dos Contratos da Páscoa com os utentes do Centro de Dia

Casa do Povo recupera tradição dos Contratos da Páscoa com os utentes do Centro de Dia

contratosdapascoaPara recuperar a tradição, os utentes do Centro de Dia da Casa do Povo de Alvalade fizeram, este ano, os Contratos da Páscoa. Segundo a tradição, o Contrato era efectuado entre duas pessoas, na quarta-feira de cinzas, e em jogo estava um pacote de amêndoas. No momento do Contrato os dois contraentes, davam as mãos direitas, dizendo:

Contrato, contrato, contrato fazemos – No dia de Páscoa oferecemos”.

Estava então celebrado o contrato verbal. No Domingo de Páscoa, os dois contraentes tentavam encontrar-se. Corriam as ruas, e escondiam-se. O primeiro que avistasse o outro, dizia-lhe – “Oferece e reza”. E estavam ganhas as amêndoas, combinadas no dia da efectivação do dito Contrato. 

_LPR

Artigo relacionado: Contratos da Páscoa

5 Respostas a Casa do Povo recupera tradição dos Contratos da Páscoa com os utentes do Centro de Dia

  1. Manuel F. Neves (Lito) Responder

    16 de Abril de 2014 em 13:43

    A lenga-lenga, para celebrar o contrato, já não tenho a certeza como era, embora pense que seria de modo diferente. Contudo, o “OFERECE E REZA”, lembro-me perfeitamente que era no “Sábado de Aleluia”.

    Ao que me parece o contrato era celebrado assim:
    “CONTRATO, contrato, contrato fazemos, rezemos às almas, às almas rezemos”.
    Seria assim (?), alguém do meu tempo, veja se se lembra.

    Abraço a todos

  2. Matilde Oliveira Responder

    16 de Abril de 2014 em 13:53

    Parabéns à Casa do Povo e utentes do centro de dia!

  3. Eufrásia Veríssimo Responder

    17 de Abril de 2014 em 16:20

    É muito engraçado recuperar as tradições antigas, há sempre quem as recorde com saudade.
    Parabéns à Casa do Povo.
    A minha versão era a do texto do Luís Ramos e não a do amigo Lito, que eu nunca ouvi, mas certamente existia.
    Eu morava, quando jovem, junto ao Posto da GNR, o muro que separava os dois quintais era comum e fazia lá serviço nesse tempo, um Sr. Guarda, com o nome de Messias, marido da D. Arlete de quem gosto muito.
    Esse senhor, fazia sempre Contrato comigo, na Páscoa, mal eu me descuidava, ele aparecia ao muro e: OFERECE E REZA!!!, ganhava-me sempre as amêndoas…mas depois era sempre ele que me as oferecia, sabia que eu não tinha dinheiro.

    Boa Páscoa para todos os amigos

  4. Céu Bougron Responder

    18 de Abril de 2014 em 10:59

    Coitado desse homem que não só fazia contratos de Páscoa com a Eufrazia mas também comigo que morava por cima do posto. Claro que foi sempre ele que pagou as amêndoas. Muito gentil.
    Boas recordações nos deixou.
    Obrigado por este momento e uma Páscoa feliz para todos.

  5. Custódia Guerreiro Responder

    4 de Maio de 2014 em 21:08

    era mesmo como diz o dr.luis pedro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.