Início » Últimas » Entre Alvalade e a Mimosa na década de 60

Entre Alvalade e a Mimosa na década de 60

portodebeja2A década de sessenta do século passado marca o nascimento da Mimosa, enquanto aglomerado urbano. Em 1965 já a empresa Sacor tinha construído a estação de serviço e o restaurante, aproveitando o volume de tráfego da estrada que durante muito tempo foi a ligação mais importante entre Lisboa e o Algarve. A venda de terrenos facilitada pelo proprietário José Gonçalves (Zé Mata-Lobos), levou também vários particulares para a Mimosa onde construíram habitação e se fixaram, numa altura em que a vila se debatia com algumas dificuldades em expandir-se, sobretudo nos terrenos privados confinantes com o acesso à Estação dos Caminhos de Ferro. No mesmo ano, a ECA – Empresa de Concentrados de Tomate, a laborar já em grande força, preparava o aumento do número das linhas de produção e a construção de uma fábrica de latas.

Dentro da vila, a população já tirava partido da nova sede da Casa do Povo, inaugurada em 1964, com condições e serviços ímpares na região e, 4 anos depois, em 1968, é fundado o Futebol Clube Alvaladense, dando corpo a um velho sonho da população.

Na última década de sessenta, a freguesia de Alvalade conhecia um dos melhores ciclos de desenvolvimento da sua história, alicerçado em vários investimentos já realizados na década anterior, como por exemplo a rede pública de abastecimento doméstico de água (inaugurada em 1960), a construção da ponte dos Arcos (aberta ao trânsito em 1952), a rede eléctrica doméstica (inaugurada em 1958), o serviço telefónico (cujo período de funcionamento foi alargado em 1959, data também da primeira lista telefónica da freguesia), o Cinema de Alvalade (inaugurado em 1956),  entre outros melhoramentos de vulto e com impacto directo na qualidade de vida da população. Esse surto de desenvolvimento sentia-se no pulsar diário da freguesia, dentro e fora da vila, como por exemplo nos montes e herdades, pujantes de vida, onde residia uma franja muito importante da população alvaladense. É o caso do Porto de Beja, entre Alvalade e a Mimosa, numerosamente habitado, como se observa nesta fotografia dos finais da década de sessenta, que documenta apenas um exemplo do que acontecia ao longo de todo o território interior da freguesia.

_LPR

 

Agradecimento: ao amigo António Belchior pela cedência da fotografia.

6 Respostas a Entre Alvalade e a Mimosa na década de 60

  1. José Raposo Nobre Responder

    18 de Março de 2014 em 15:38

    Depois de tão explicita descrição, quero acrescentar que foi o José Gonçalves que batisou o local como Mimosa. O José Gonçalves foi herdeiro do terreno porque era casado com uma filha do dono do Monte Porto Ferreira, Manuel Ilhéu, o pai deixou-lhe várias courelas, tudo vendeu, não tinha filhos, nem vicios maléficos, foi para Lisboa e acabou empregado numa Estação de serviço. Apenas tinha uma pequena casa na Rua Luis de Camões, em Alvalade, que foi herdada por um sobrinho. O pai “Mata Lobos” era um dos homens mais ricos da vila, extremamente poupado, dele se dizia que não comia uma azeitona de uma vez, porque levava um ano a criar.
    Só teve um filho, o José Gonçalves que herdando tantos valores tudo destruiu terminando a vida empregado a vender Gasolina. Histórias curiosas desta freguesia.
    JRN

  2. Matilde Oliveira Responder

    19 de Março de 2014 em 17:32

    Gostei de saber as origens da Mimosa. Obrigado!

  3. Gabriel José Lopes Assunção Responder

    30 de Maio de 2015 em 23:36

    Muito bom. Seria um prazer ler outras histórias sobre a Mimosa.
    Bem hajam.

    Gabriel

  4. Acidália Responder

    3 de Janeiro de 2017 em 22:32

    Passo à Mimosa muitas vezes onde almoço.
    Adorei este trabalho e de saber a história daquela povoação tão movimentada.
    Obrigada.

  5. Valentina Mestre Responder

    17 de Maio de 2018 em 1:02

    Guardo a Mimosa no meu coração…aonde morei nos anos 70…pois desconhecia…a sua origem …li atentamente…e adorei saber a sua história…obrigado…e um bem haja…para quem fez este lindo…e muito interessante trabalho….

    • admin Responder

      21 de Maio de 2018 em 11:59

      Muito obrigado, Valentina! LPR

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.