Início » História » Apontamentos históricos do Pe. Jorge de Oliveira » Habitantes de Alvalade (1526-1858)

Habitantes de Alvalade (1526-1858)

memoriafontedabica1526 – Moravam em Alvalade, Gonçalo Aires Cabreira e sua mulher Elena Fernandes. Compraram uma courela junto à Fonte das Beiras que entestava com a ribeira. Há cerca de 70 anos esta courela chamava-se “Courela da Lameira”.

1596 – Manuel Penedo, vivia na Amêndoa.

1601 – João Sequo (Seco), proprietário, vivia em Alvalade.

1706 – Pedro Gonçalves Cordeiro, morador do Monte da Vinha, era dono do Carapetal, Pego de Inverno e Vale de Serrão. Era irmão de João Rodrigues Cordeiro, também natural desta freguesia e que depois foi tabelião em Messejana. Faleceu em 25 de Dezembro de 1768.

1718 – João Rodrigues Soveral, rendeiro da Courela de S. Roque (antiga Herdade do Valdez e actual Herdade do Faial).

1745 – João Rodrigues Zarco, morador na Corredoura; Jorge Rodrigues Zarco, morador na Carregueira da Relva;  Manuel Rodrigues Zarco, morador em Conqueiros.

1749 – D. Antónia Pacheco Nobre, natural e residente no Roxo, viúva de João Rodrigues Nobre.

1750 – Capitão João Pacheco Nobre, residente no Roxo, pede para lhe ser paga a despesa que fez, na Igreja do Roxo, em ornamentos. A Comenda de Alvalade dava, anualmente, à Fábrica Grossa da Igreja do Roxo, 3.000. Em 1749 devia alguns anos.

1753 – D. Antónia Josefa da Costa, moradora em Alvalade, passou procuração a seu cunhado Bartolomeu José Reboredo Vasconcelos, proprietário, residente no Reguengo (Livro de Notas, 1779).

1763 – Capitão Domingos Correia de Lima, dono do Cerrado de S. Pedro, em Alvalade. Foram suas herdeiras, suas filhas, freiras do Convento do Salvador, em Évora, sendo uma delas Soror Joana de Santa Teresa, Abadessa do mesmo convento. Possuíam também a Horta do Pego Verde.

1763 – Capitão Francisco José Águas, genro de João Rodrigues Nobre, residente no Roxo.

1769 – João Rodrigues Nobre, aforamento da Boavista – Nossa Senhora do Roxo.

1779 – Pacheco Nobre, natural e morador no Roxo, filho do capitão João Pacheco Nobre e de D. Teresa Francisca.

1779 – Francisco José Aguas, natural de Monchique, filho de Diogo Fernandes Águas e de Maria da Conceição, casou com D. Barbara Antónia.

17(?)– João Rodrigues Zarco, comprou uma courela junto a Gaspeia a Bartolomeu José Reboredo Vasconcelos e sua mulher D. Catarina Francisca Salgado, moradores no Reguengo.

17(?) – João Rodrigues Zarco comprou a Corredoura a Baltazar Moreira Brito Castanheda e sua mulher D. Isabel Melo Aragão, moradores na Messejana.

1791 – Dr. Domingos Correia Estasso – Confraria SSmo.

1793 – João António Cordeiro – morador nos Coitos.

1796 – Licenciado Sebastião da Silva Guerreiro. João António Parreira da Lança.

1802 – José Dias Castilho – escrivão.

1805 – José Joaquim Cordeiro – morador no Monte Branco.

1820 – Dionísio José Farelo.

1822 – João Parreira da Lança, casado com D. Joana Bárbara da Purificação.

1827 – João Filipe dos Reis Magro, casado com D. Maria Salomé da Silva Abreu, do Torrão.

1843 – Residia na Rua da Cruz, Bernardino Feliciano de Meneses, professor régio de instrução primária em Alvalade. Era pai ou irmão de Constantino Feliciano de Meneses, também residente em Alvalade, e deste foram filhos: Dr. Francisco Xavier de Meneses, médico distinto e conselheiro de Sua Majestade, chefe do Partido Regenerador do Distrito de Beja que, por vezes, ocupou o lugar de Governador Civil do mesmo Distrito, e de Bernardo César de Meneses, oficial do mesmo governo civil. Faleceram em Beja. Ignora-se se nasceram em Alvalade.

1843 – Moravam na Praça em Alvalade (actual Praça D. Manuel I): Luís da Lança Parreira, nas casas do Manuel d’Aires; Dionísio José Farelo, nas casas dos Herdeiros de J. Miguel Cabeça; Matias Vaz Ramires, lojista. Havia mais as casas da Câmara (Paços do Concelho), a Misericórdia e a Capela do Espírito Santo.

1852 – José da Lança Parreira e D. Maria Felizarda.

1858 – André da Lança e D. Gertrudes da Lança Parreira.

_Apontamentos históricos do Padre Jorge de Oliveira (1865-1957), pároco de Alvalade entre 1908 e 1936, para uma monografia que não chegou a publicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.