Início » História » Apontamentos históricos do Pe. Jorge de Oliveira » D. Miguel I em Alvalade

D. Miguel I em Alvalade

D. MiguelIApós a Convenção de Évora-Monte, de 26 de Maio de 1834, dirigiu-se o príncipe destronado, de Évora para Sines, no dia 30, entrando na freguesia de Alvalade, pela carreteira da Herdadinha, à uma hora da tarde de 31, sob um sol tropical, escoltado pelo Regimento de Lanceiros da Rainha, comandado pelo Tenente Simão Infante de Lacerda.

Chegados a Alvalade, hospedou-se o régio exilado em casa do proprietário Luis da Lança Parreira, que, com sua esposa, D. Teresa Luísa da Lança Parreira, deram ao hospede o melhor acolhimento. Nessa casa, que ainda existe e é propriedade da família Felix, passou D. Miguel a última tarde e a última noite da sua permanência em Portugal. Na manhã do dia 1 de Junho, ao despedir-se dos seus atenciosos hospedeiros, duas lágrimas teimosas afloraram aos olhos do infeliz príncipe. Seria gratidão pela carinhosa hospedagem? Mágoa pelas afrontas recebidas? Seria o prelibar da nostalgia, da saudade gosto amargo dos infelizes, abutre, que começara a devorar-lhe o peito?

Seria tudo isso, porque nessas horas dolorosas, tudo sentem as almas atribuladas…

Chegaram, pelas 5 da tarde, a Sines, aonde eram esperados por dois navios de guerra, ingleses, a fragata Stag e a corveta Nenod, que salvaram, no acto do embarque.

E, quando ao escurecer, o régio exilado, debruçado na amurada da Stag, contemplasse as águas serenas da baia e a dentadura carcomida do castelo, por certo diria como o nosso grande épico:

Esta e a ditosa pátria minha amada

A quasi o Céu me dá que eu sem perigo

Torne com esta empreza já acabada

Acaba-se esta luz ali consigo

 

                                                                   (Lusíadas, Canto III. Est. XXI)

Mas não tornou, não mais viu o sol brilhante de Portugal, e a luz extingui-se-lhe em terra estranha, a mais bronca jazida, a mais fria sepultura para um peito português.

Na referida casa, com a precipitação da retirada, deixou o Senhor D. Miguel uma espada, que o célebre miguelista Remexido ali mandou buscar, algum tempo depois, e uma faca com o cabo de prata, oitavado, já gasto, com as iniciais R.F. encimadas pela coroa real, que a família Albino, de Messejana, guarda como recordação dos acontecimentos.

Foi para perpetuar este facto histórico, que a Junta de Freguesia de Alvalade propôs, em sessão de 1 de Maio de 1925, e o Senado Municipal de Santiago do Cacém aprovou, por unanimidade, que a Rua da Estalagem, aonde se encontra a referida casa, passasse a denominar-se Rua 31 de Maio de 1834.

_Apontamentos históricos do Padre Jorge de Oliveira (1865/1957), pároco de Alvalade entre 1908 e 1936, para uma monografia que não chegou a publicar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.