Início » Últimas » Alvaladenses de fibra

Alvaladenses de fibra

RibeiradeCampilhas1936“Tem esta freguesia, como grande parte do Alto Sado, largo horizonte em perspectiva: a Junta Autónoma das Obras Hidraúlicas Agrícolas têm aqui feito importantes trabalhos de limpeza no Sado e na Ribeira de Campilhas e têm em via de conclusão os trabalhos de gabinete para a futura irrigação dos respectivos vales e possível electrificação”.

O pequeno trecho acima é da autoria do Padre Jorge de Oliveira e foi publicado no “Album Alentejano”, em 1937. São esses trabalhos de limpeza e regularização do leito da ribeira de Campilhas que a fotografia documenta, integrados no Plano de Hidráulica Agrícola, de 1938. O aproveitamento de Campilhas terminaria com a inauguração da barragem, em 1954.

À força de braços, com picaretas e pás, a fotografia, inédita, datada dos finais de 1936, mostra o esforço e o empenho dos homens daquele tempo, na maioria alvaladenses. Gente de fibra, de raça, que o trabalho duro nunca amedrontou, ainda que a troco de um salário magro.

Agradecimento: Ao Arqtº Francisco Lobo de Vasconcellos pela cedência da fotografia do seu arquivo de família.

_LPR

4 Respostas a Alvaladenses de fibra

  1. José Raposo Nobre Responder

    24 de Junho de 2014 em 18:14

    Recordo estes trabalhos quando cheguei a Alvalade, em 1934,lembro-me que o técnico responsável era o Engº Rossa. Estava hospedado na Pensão Guerreiro, apaixonou-se pela filha da dona da Pensão, Margarida Guerreiro. Quando terminaram os trabalhos foi dirigir Obras em Angola, como funcionário do Ministério das Obras publicas.
    Entretanto, Margarida abriu Mercearia e Padaria, o namoro continuou e o Eng. quando voltou ao continente vinha passar todos os fins de semana a Alvalade, mantendo sempre o quarto na Pensão.
    Uma história de Amor que culminou com o Casamento nos ultimos anos de Vida do Engº Rossa, Margarida viria a falecer poucos anos depois. É apenas um apontamento, porque importante foi a Obra de correcção da Várzea que permitiu melhor aproveitamento, desviando a Ribeira de Campilhas da Ponte Romana e criando novo leito mais a Poente.
    JRN

    • admin Responder

      28 de Junho de 2014 em 9:46

      Muito obrigado pelas achegas, sempre importantes para ajudar a contar a história social de Alvalade.
      _LPR

  2. José do Rosário Martins Responder

    25 de Junho de 2014 em 13:42

    Outros tempos e outra gente.
    A fome e a repressão ajudavam a aceitar salários de miséria e a trabalhar do nascer ao pôr do sol. Mas por outro lado fortalecia-se a amizade e a entreajuda. Como se pode ler aqui… um caso verídico contado aqui:
    https://www.alvalade.info/?p=716

    • admin Responder

      28 de Junho de 2014 em 9:44

      Precisamente! Os dados que tenho dessa época dizem-me que apesar das grandes dificuldades, as pessoas eram mais unidas e amigas.
      _LPR

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.