Início » Últimas » Homenagear Eduardo Olímpio

Homenagear Eduardo Olímpio

Em Janeiro de 2013, ou seja daqui a pouco mais de um ano, o poeta e escritor alvaladense Eduardo Olímpio completa 80 anos de vida. A sua obra, que parcialmente se insere no neo-realismo português, é, talvez, a mais importante dos escritores e poetas alvaladenses.

O seu 80º aniversário justifica que seja planificada e programada, com a devida antecedência, uma homenagem a um dos mais ilustres filhos de Alvalade. Em vida e não post mortem e a título póstumo.

Um programa que contemple a atribuição do nome de Eduardo Olímpio a uma rua de Alvalade, mas também a reedição de algumas das suas obras há muito esgotadas e ausentes das prateleiras das livrarias, como “António dos olhos tristes”, “Um girassol chamado Beatriz”, entre outras.

Homenagear Eduardo Olímpio e reconhecer o valor e a obra de um filho da terra é prestigiar também a freguesia e a sua dimensão cultural. É um contributo também importante para a valorização e projecção da freguesia.

 

_LPR 

11 Respostas a Homenagear Eduardo Olímpio

  1. José do Rosário Responder

    17 de Outubro de 2011 em 12:29

    Em Agosto de 2006, com a realização do 1º Encontro de Alvaladenses Ausentes, entre os quais e como sempre estava Eduardo Olimpio, por proposta do sr. Joaquim Guerreiro…Foi proposto que se desse o nome do escritor Alvaladense Eduardo Olímpio e do Prof. Dr. Augusto Deodato a duas ruas de Alvalade. A proposta foi aprovada por aclamação e muita emoção. Coube posteriormente à direcção da AURPIA, a responsabilidade de dar conhecimento oficioso à Autarquia. O que foi de imediato cumprido. Até hoje nada foi decidido. Na apresentação do livro (Por Alvalade com Amor) tinha agendado intervir em público, onde destacaria esta proposta, já que se encontravam presentes as pessoas com autoridade para decidir sobre isto. Por pressão familiar abstive-me de falar, do que estou hoje arrependido. Tenho por todas as figuras que elevam o nome de Alvalade, uma grande amizade e admiração.

  2. admin Responder

    17 de Outubro de 2011 em 12:41

    De facto é um pouco estranho. Cinco anos é demasiado tempo para levar o assunto à assembleia de freguesia e assembleia municipal. Nem sequer estamos perante uma iniciativa de custos elevados ou com qualquer outro tipo de dificuldade. Com boa vontade e interesse, é perfeitamente justo que a toponímia de Alvalade integre mais nomes da terra, especialmente de pessoas e individualidades cujos contributos tenham elevado e prestigiado o nome da freguesia, nas mais diversas áreas.
    _LPR

  3. Maria Dores Amado Responder

    20 de Outubro de 2011 em 8:21

    José do Rosário,
    De facto foi pena não ter falado no assunto no dia do lançamento do livro. Teria sido o ideal, mas como há mais marés que marinheiros, não pode esse assunto ser deixado em saco roto….é necessário que haja em Alvalade mais divulgação dos eventos…
    Eu nunca soube do almoço dos Ausentes de Alvalade…..15 dias depois do lançamento do nosso livro ainda havia pessoas em Alvalade a perguntar-me quando era o lançamento…
    Um abraço,

    • admin Responder

      20 de Outubro de 2011 em 9:05

      No próprio dia do lançamento do livro antes de ir para a Casa do Povo estive a tomar café, e ao meu lado estiveram algumas pessoas que não sabiam que ia haver a apresentação do livro naquela. Quanto a mim, a falha maior foi o lançamento do livro não ter sido incluído no programa das festas do foral. Teria tido mais divulgação e valorizaria o programa.
      Mas quem decide estas coisas é que sabe.
      _LPR

  4. Maria Dores Amado Responder

    20 de Outubro de 2011 em 8:34

    Ainda acerca do nome das ruas….
    Quando em 1993 eu vim residir para esta casa, vi na caderneta que o quintal da mesma confrontava com terreno E estrada de Arlete Lima do Vale, uma senhora que esposa do sr. Joaquim Ramos residiu no prédio perto da estação, onde exploravam um café e taberna no rés do cháo do mesmo.
    Depois a srª veio residir para Setúbal, talvez nos anos sessenta….A Rua nas traseiras não tinha qualquer nome. Junto da junta de freguesia e com uma carta para a Câmara, eu consegui, e há já anos que uma bonita placa circundada com flores coloridas, desse o nome à citada rua. Rua Arlete Lima do Vale….Há cerca de dois ou três anos, numa garagem remodelada e boas instalações existe um dentista em cujos cartões, lógicamente, colocou o nome da rua….as coisas são tão fáceis quanto um estalar de dedos…

  5. Maria Dores Amado Responder

    20 de Outubro de 2011 em 8:45

    Eu nem conhecia o presidente da Junta, nem alguém lá na Camâra. Telefonaram- me para eu fazer a carta e um dia o presidente, no local da placa, ligou-me para me perguntar se era ali naquela descida junto ao candeeiro, eu respondi que sim e nem vi sequer o sr…
    Dias depois a minha vizinha do lado, que passa por lá, disse que estava lá uma placa…telefonei a agradecer o terem atendido o meu pedido…..A D. Arlete é que tinha doado aquele terreno para serventia dos moradores, como me tinham informado aqui.
    O homem sonha, sonha a obra nasce…

  6. Maria Dores Amado Responder

    20 de Outubro de 2011 em 9:21

    E ainda acerca da placa com o nome do escritor e poeta Eduardo Olímpio, é a minha opinião, porque é que é necessário esperar que o sr. atinja os oitenta anos para colocar a placa?
    Não tem obra feita suficiente para que seja colocado já o seu nome numa das artérias da vila?
    Sim, que o seja feito , mas não a título póstumo…
    Maria Dores Carvalho.

    • admin Responder

      20 de Outubro de 2011 em 9:34

      Efectivamente não é necessário chegar aos 80 anos. Aliás, na minha opinião, Eduardo Olímpio já devia ter o nome numa rua há muito tempo.
      Apenas quis enquadrar essa iniciativa num programa mais vasto de celebração do seu 80º aniversário, incluíndo a reedição de algumas das suas obras há muito esgotadas.
      Lembrei-me das comemorações do centenário de Manuel da Fonseca, que decorrem presentemente na sede do concelho e em Santo André, e liguei isso um pouco aos 80 anos de vida do escritor e poeta alvaladense Eduardo Olímpio. Apenas e só isso.
      Se o quiserem homenagear antes e atribuir-lhe o nome de uma rua, também me parece bem.
      _LPR

  7. Jorge Ganhão Responder

    28 de Novembro de 2012 em 16:10

    Eduardo Olimpio é um escritor/poeta, que ultrapassou há muito as fronteiras do concelho de Santiago…Se tivessem dado o seu nome à biblioteca de Vila Nova de Santo André talvez tivesse sido, uma escolha mais adequada…porque ainda hoje estou à espera que me expliquem como foi possivel que uma biblioteca tivesse como patrono um poeta popular, muito bom, excelente, invulgar, mas analfabeto…
    Que eu saiba uma biblioteca só existe porque se SABE ler e escrever. Enfim, é só a opinião de quem contribuiu e MUITO, para que o Ti Manel do Tojal (António José Santinhos), se tornasse numa figura pública universal. Seria muito mais lógico e, normal, fazer-lhe estátuas e colocá-las nas localidades mais importantes do concelho. O Eduardo Olimpio, que eu conheço pela sua escrita para canções, merecia muito mais do que este concelho com esta gente mediocre à frente, lhe irá dar…o resto é blábláblá politico.

    • admin Responder

      29 de Novembro de 2012 em 9:32

      O grande “azar” do Eduardo Olimpio foi não ter nascido em S. Francisco da Serra ou em Santo André…caso contrário já teria tido o reconhecimento que a sua obra justifica.
      Em todo o caso, acredito que o escritor/poeta Eduardo Olimpio será homenageado em Alvalade no seu 80º aniversário, pelas suas gentes e pela terra que o viu nascer.
      _LPR

  8. José Raposo Nobre Responder

    30 de Novembro de 2012 em 17:41

    O meu apoio a que se preste a merecida homenagem ao Eduardo Olimpio na data do seu nascimento, 24 de Janeiro, apelo aos alvaladenses e instituições locais para que desde já se constitua uma comissão para o efeito. Fico a aguardar adesões. Quanto ao nome de rua poderá ser proposto às autarquias a partir da homenagem.
    JRN

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.