Início » Últimas » Memórias do Sado e de Campilhas

Memórias do Sado e de Campilhas

A imagem, captada próximo da Ponte dos Arcos em meados do século passado, relembra-nos a importância que o rio Sado já teve para várias gerações de alvaladenses, enquanto espaço de lazer. As memórias dos pegos do Sado e também da ribeira de Campilhas, rodeados de vegetação viçosa e fresca, que foram as “praias” de Verão para muitos de nós durante largos anos, ainda estão bem presentes entre os melhores momentos da nossa juventude. A água cristalina dos pegos do Sado e de Campilhas aliviaram muitos dos dias tórridos nos Verões alvaladenses. Foi também nestas ribeiras que muitos de nós aprendemos a nadar.

As raparigas alvaladenses também se divertiam, à sua maneira e dentro do que os costumes da época permitiam, umas vezes em longos passeios de grupo outras partilhando piqueniques nas margens do Sado e da ribeira de Campilhas.

Foram tempos em que se tirava partido do melhor que Alvalade tinha para oferecer e os cursos de água nas imediações da vila perfilavam-se como espaços de lazer de “eleição”, numa freguesia pobre e de oferta escassa para os momentos livres.

Desses espaços ficaram histórias e acontecimentos, uma herança do nosso património imaterial e da antropologia cultural da freguesia que aos poucos se vai diluindo na voragem do tempo…

Deixamos à consideração dos leitores, identificar ou não, os nomes das moçoilas alvaladenses da fotografia. Para quem ainda as reconhece.

Agradecimentos: à D. Maria Duarte e ao Amigo José do Rosário pela cedência da fotografia.

_LPR

2 Respostas a Memórias do Sado e de Campilhas

  1. Manuel Neves (Lito) Responder

    3 de Dezembro de 2012 em 22:05

    Sou desse tempo, meados do século passado e, naturalmente, que essas “moçoilas” serão todas minhas conhecidas. Contudo, infelizmente não reconheço nenhuma.
    De qualquer modo quero aqui relembrar as tão boas tardes que passei tanto no Sado, como no Campilhas. No “Pego Redondo” ou no “Pego do Anel” passei horas com amigos de então a brincar, “banhar”, comer melancia, que era o que levava-mos para o fim do banho.
    Com o Xico Garcia, o José Henriques, o Tonico Simões, o Baltazar Varela, o Custodio Rito, o José Inácio, o José Pacheco, o Armando Cebola, enfim com a rapaziada do meu tempo. Que saudades!
    Gostei do artigo, sobretudo porque me levou à minha infância e a recordar pessoas e locais que já não vejo há anos.
    Um grande abraço a todos, especialmente às “moçoilas” que não reconheci, a quem peço as minhas desculpas por não as reconhecer!
    Abraço do,
    Lito

    • José do Rosário Responder

      7 de Dezembro de 2012 em 13:09

      Vou-te dar o nome de algumas:
      Da tua esquerda para a direita e de pé está: Maria do Céu Carraça, Camila Baptista, a irmã do Zé Garcia, Maria Duarte, a outra não me lembro do nome dela.
      Em baixo e seguindo a mesma ordem: a pequenina, não sei quem é, a outra é a irmã da Maria do Céu, a seguir a Maria Emília Vargas e a outra não sei quem é.
      Um abraço amigo,
      José do Rosário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.