Início » História » Apontamentos históricos do Pe. Jorge de Oliveira » O património da Santa Casa da Misericórdia de Alvalade

O património da Santa Casa da Misericórdia de Alvalade

misericordiaInventário sobre a Santa Casa da Misericórdia de Alvalade, datado de 1860.

 

Bens Móveis

Um Livro de Eleições, termos de mesa e algumas arrematações, que teve principio em 1698 (é o mais antigo deste inventário).

– Um Senhor Morto, um crucifixo, Santo Amaro e Nossa Senhora da Conceição.

Do Hospital (do Espírito Santo) – um colchão de lã, um enxergão velho, seis lençóis, um travesseiro velho, uma fronha velha, duas mantas de lã, um cobertor, duas cobertas de chita, um guarda-cama, dois pratos de estanho e uma tumba.

Pratas

Um cálice, com patena e colher, lavrado, que se arma em custódia. Pesa, com os vidros, quatro marcos, três onças e cinco oitavas e meia.

– Uma coroa antiga, lavrada, que foi dourada, com o peso de treze onças e sete oitavos.

Bens Imóveis – Prédios

A Igreja (da Misericórdia), na Praça, com o quintal na retaguarda.

– Um casarão aonde foi a igreja do Espírito Santo.

– Uma morada de casas, na Rua da Cruz desta vila, que são três casas térreas e servem de hospital: Partem do Nascente, com casas de Francisco António Aragão; pelo Norte, com a Rua da Cruz, pelo Sul, com a Rua das Estalagens; e pelo Poente, com a Estalagem de João Travassos.

– Um celeiro situado na Rua das Estalagens (actual Rua 31 de Maio de 1834), desta vila, que parte, do Nascente, com casas de Joaquim Pedro; pelo Norte, com casas de Francisco António Aragão; pelo Sul, com a Rua das Estalagens e pelo Poente, com o Hospital.

 Foros

Um prazo fateusim, que é uma courela, chamada dos “Asnos” nas várzeas desta Vila que consta de terras de semear. Parte do Nascente e Sul com o Pego Verde; Norte, com a estrada que vai para Santa Luzia; do Poente, com a estrada dos Coitos, pela qual paga José Vicente Serrano, morador em Grândola, o foro anual de quatro alqueires de trigo.

– Estão mencionados neste inventário, 37 foros.

 

 

_Apontamentos históricos do Padre Jorge de Oliveira (1865/1957), pároco de Alvalade entre 1908 e 1936, para uma monografia que não chegou a publicar.

 

Artigo relacionado: A Igreja da Misericórdia

6 Respostas a O património da Santa Casa da Misericórdia de Alvalade

  1. Francisco Lobo de Vasconcellos Responder

    20 de Março de 2013 em 12:42

    Seria interessante, para um investigador, ou interessado, traçar o destino destes objectos e destes imóveis.

    • admin Responder

      20 de Março de 2013 em 13:48

      Após a extinção da Santa Casa da Misericórdia de Alvalade, os seus bens foram incorporados na Casa Pia de Beja, em 1861.
      Há peças que transitaram para a igreja matriz, como é o caso do Senhor Morto, que ainda lá permanece, entre outras.
      Quanto aos imóveis, nada se sabe nos dias de hoje sobre qual o destino que lhes foi dado pela Casa Pia de Beja.
      _LPR

  2. José Raposo Nobre Responder

    21 de Março de 2013 em 15:05

    Mais uma vez o Alvalade.info revela informações importantes da história da nossa frguesia. Muito bem Luis, continue a revelar os elementos a que teve acesso.
    JRN

  3. admin Responder

    21 de Março de 2013 em 15:16

    Uma das conclusões evidentes que podemos tirar só com estes elementos, é que a Santa Casa da Misericórdia de Alvalade não foi extinta por falta de bens e de rendimentos, uma vez que era detentora de um grupo de propriedades considerável na maioria dos casos fruto de deixas testementárias.
    _LPR

  4. José Raposo Nobre Responder

    21 de Março de 2013 em 17:18

    Sei que muitas propriedades rústicas na Várzea de Campilhas e a zona urbana da Rua Poeta Aleixo e outras, pagavam foros à Casa Pia de Beja. O pai do Dr.Acácio, para quem trabalhei, tinha courelas nas trazeiras do Cemitério e todos os anos pagavam. Os foros foram extintos após o 25 de Abril. Era necessário que se soubesse como a Casa Pia de Beja adquiriu esses direitos.
    JRN

  5. admin Responder

    21 de Março de 2013 em 17:47

    A extinção da Santa Casa da Misericórdia de Alvalade e a transferência de todos os seus bens para a posse da Casa Pia de Beja, no século XIX, foi uma decisão do Governo Civil de Beja.
    _LPR

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.